A CIDADE

Motoristas fazem manifesto e paralisam linhas do transporte coletivo em Maringá

Uma manifestação do sindicato dos motoristas paralisa na manhã desta quarta-feira, 8, todo o transporte coletivo de Maringá. O ato foi motivado, segundo fontes, porque a empresa teria pago ontem em torno de 35% do salário dos trabalhadores. Os representantes do sindicato agora negociam com a empresa a liberação do restante dos salários do mês de março.

A empresa Transporte Coletivo Cidade Canção estaria em tratativas com a prefeitura para que o município ajude a bancar os custos do transporte. Em entrevista ao comunicador Juliano Pinga da Pinga Fogo FM, o advogado da TCCC Fabiano Moreira afirmou que o ato é uma arbitrariedade do Sindicato e que a empresa já negocia com a prefeitura este auxílio financeiro. A expectativa é de que esse aporte seja repassado até sexta-feira, 9.

O Tribunal de Contas recomendou que a prefeitura dê apoio financeiro à empresa, já que ela presta um serviço essencial. Em Apucarana, a tarifa ficou R$ 0,60 mais barata a semana passada após a prefeitura subsidiar parte da tarifa.

Sobre a paralisação dos serviços de transportes, a prefeitura de Maringá emitiu a seguinte nota às 09h55

A Prefeitura Municipal está acompanhando a paralisação das atividades da TCCC durante a manhã desta quinta-feira, 8. O Município tem mantido reuniões diárias com a empresa de transporte coletivo para chegar a um denominador comum e manter a qualidade do serviço à população. A Concessionária solicita o pagamento de mais de R$20 milhões para suportar os prejuízos com a pandemia de Covid-19. A Prefeitura contratou a Fipe – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, para avaliar o contrato e os reais prejuízos da concessionária. A Prefeitura tem auxiliado diversos segmentos da sociedade, sejam pessoas em situação de vulnerabilidade e empresas de setores atingidos. Mas, considera que o valor é elevado e que, apesar da redução brusca de passageiros, a TCCC não parou em nenhum momento. Continuamos as negociações com a empresa e ouvindo o Sindicato dos Trabalhadores para tomar as medidas necessárias visando a manutenção deste serviço que é vital para nossa população.

Com informações de Márcio Gomes e Billy Lima (fotos)