A CIDADE

Prefeito anuncia ‘bloqueio’ de pacientes de cidades que não seguem decreto estadual

O prefeito de Maringá Ulisses Maia fez, pelas redes sociais, um anúncio polêmico neste domingo, 28. Ele confirmou que vai bloquear as entradas da cidade para pacientes oriundos de municípios em que os prefeitos não estão cumprindo o decreto do governo do Paraná.

“Pessoal, cidades em que os prefeitos não estão respeitando o decreto do governo estadual, deixando tudo funcionar normalmente, não poderão buscar atendimento médico em Maringá para tratar pacientes com o vírus. Já estamos organizando barreiras nas entradas da nossa cidade. Ambulâncias de Cianorte e Mandaguari não estão autorizadas a entrar. Esperamos que não seja necessário ampliar essa medida. Que toda região tenha consciência que o momento requer união na prevenção para vencermos juntos o mais rápido possível. Conto com todos”, postou o prefeito.

O prefeito pediu que as forças de segurança organizem barreiras nas principais entradas de Maringá. Há fortes indícios de que cidades como Sarandi, Cianorte, São Carlos do Ivaí e Mandaguari não estejam cobrando o respeito ao decreto do Governo.  A medida dividiu opinião na internet. Muitos questionam a legalidade do ato de Maia. “Para garantir que o prefeito não mate ninguém dos municípios vizinhos na rodovia, no entanto, já estamos o denunciando à Polícia Civil, à Polícia Militar, às Polícias Rodoviárias e ao Ministério Público, para que o prendam em flagrante caso insista na medida”, criticou o deputado estadual Homero Marchese (Pros) que ainda classificou o anúncio como uma bravata.

Atualizado às 23h

O prefeito Ulisses Maia reuniu, há poucos instantes e de forma virtual, o Grupo de Trabalho que define as estratégias relacionadas às ações de combate ao Coronavírus. Foi feita uma explanação sobre as atividades que serão desenvolvidas nesta segunda-feira, desde a vacinação em vários pontos, distribuição de cestas básicas pela Sasc, até a instalação de barreiras nas entradas da cidade para fiscalizar a entrada de ambulâncias com pacientes de Covid-19.

A determinação era de não deixar entrar pacientes de determinadas cidades da região que não vinham cumprindo o decreto do Governo do Estado. Diante das notícias de que vários municípios da região voltaram atrás e seguirão o decreto, o prefeito Ulisses Maia propôs que as barreiras sejam instaladas, mas funcionem de forma “educativa”.