CRM, Secretaria Municipal de Saúde, UEM e diretoria do Hospital acompanharam/ Foto - UEM

O Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) esteve no Hospital Universitário Regional de Maringá, nesta segunda-feira, 3, retirar os cartazes que registravam o Indicativo de Interdição Ética, no Serviço de Urgência e Emergência (Pronto Atendimento). Segundo as autoridades presentes, a medida marca diversas conquistas do Hospital, nos últimos cinco meses.

Em 20 dezembro do ano passado, o Pronto Atendimento do HUM recebeu o indicativo devido ao um entendimento do CRM-PR de que o Hospital não contava com um número suficiente de profissionais médicos e de enfermagem para o preenchimento das escalas de trabalho. Foi dado um prazo de 120 dias para as adequações necessárias.

Em 17 de abril deste ano, embora já tivesse adotado diversas ações visando atender às demandas do Conselho, a superintendente do HUM, Elisabete Kobayashi, pediu ao CRM prazo de mais 30 dias para garantir a solução dos problemas, o que foi concedido pela entidade. Em 21 de maio, um dia antes de vencer o segundo prazo, um fiscal veio ao Hospital e, depois de uma vistoria, emitiu um relatório, que foi a base para a decisão de retirada do indicativo, determinada na sessão plenária do CRM-PR, do dia 27 de maio.

Cartazes

A retirada dos cartazes foi realizada pelo Conselheiro Márcio de Carvalho, que estava acompanhando da delegada do CRM, em Maringá, Fabíola Tasca. Eles foram recebidos pela superintendente do Hospital, Elisabete Mitiko Kobayashi; pelo vice-reitor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Ricardo Silva; pela diretora médica, Daniela Matsumoto; e pelo chefe da Divisão de Pronto Atendimento (PA), Luiz Ximenes.

COMPARTILHAR