Prefeitura diz que obra que desabou na Unicesumar não tinha alvará

148

A Prefeitura de Maringá, confirmou nesta sexta-feira, 24, que a obra do bloco da Unicesumar que desabou na semana passada causando a morte de uma estudante de 20 anos não tinha alvará para ser executada. Uma nota enviada para a imprensa pela Diretoria de Comunicação do município revela que a Unicesumar solicitou alvará de construção do bloco de ensino em agosto de 2018, mas esse pedido foi indeferido em novembro.

O indeferimento ocorreu segundo a prefeitura, por insuficiência de documentos para orientar a análise. A empresa foi notificada dessa decisão. Novo pedido só foi protocolado em março deste ano e está sob análise. O prazo médio para manifestação da administração sobre pedido é de 90 a 100 dias. Portanto, a construção do bloco foi iniciada sem o correspondente alvará de projeto e execução.

Outro lado
A UniCesumar informa que, sobre o alvará, protocolado no dia 29 de agosto de 2018, foi solicitada pela Administração Pública a complementação de documentos referentes ao projeto, como a unificação cadastral de lotes, dimensionamento de área de preservação permanente, ponte de acesso ao campus, atualização do RIV (que posteriormente foi informado que não seria necessário), captação de água da chuva, ou seja, nenhuma irregularidade de projeto de edificação foi apontada. A instituição declara ainda que o documento é uma medida administrativa e não reflete no ocorrido.

Ainda segundo a Unicesumar, todas as exigências relacionadas à segurança, como ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), liberações de demais órgãos competentes e equipamentos de segurança, estão de acordo e em dia, bem como foi contratada uma das maiores e mais experientes construtoras do país referente ao modelo construtivo, que inclusive já realizou outras obras para a instituição sem nenhuma intercorrência.

A Polícia Científica e os órgãos competentes estão avaliando as causas do ocorrido e a Instituição tem acompanhado e contribuído com as informações necessárias para que tudo seja esclarecido.

Vítimas
Natália Meira Celeste, de 20 anos, foi a vítima fatal deste acidente. Joelson Trevisan Pires -se feriu gravemente e segue internado no Hospital Santa Casa. O outro trabalhador identificado como Antonio Sérgio Fernandes, 30 anos, foi encaminhado ao Hospital Universitário fora de perigo.

COMPARTILHAR