Caso Jeniffer: polícia pretende fazer reconstituição na semana que vem

145

A Delegacia de Homicídios de Maringá pretende realizar na próxima segunda-feira, 20, a reconstituição do caso Jeniffer Tavares, 17 anos. A adolescente foi encontrada morta no dia 7 de maio no Jardim Monte Sinai, na zona norte da cidade. O suspeito do crime Carlos Alberto Dias da Silva, 30 anos, preso quatro dias depois do corpo ser localizado, deve participar para fornecer mais detalhes à polícia sobre as circunstâncias do crime.

O objetivo da reconstituição é esclarecer dúvidas sobre os últimos momentos de Jeniffer. Um deles é no motel onde a menor passou com o suspeito. A família da jovem suspeita que ela tenha sido levada ‘dopada’ até o local. Silva, no entanto, diz que a garota foi ao local por livre e espontânea vontade e lá, segundo ele, teria passado mal. Ele ainda nega ser o autor do crime. Segundo o suspeito, a garota morreu em decorrência de uma overdose.

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) no entanto, aponta que a garota estava com a traquéia quebrada, o que indica uma esganadura. Silva permanece preso. A DH está organizando a

logística para a reconstituição. Resultados de exames feitos por meio de amostras colhidas no corpo de Jeniffer são aguardados.

COMPARTILHAR